CategoryAlimentação

Chimarrão faz mal na gravidez?

Este é um assunto polêmico, pois não existem estudos sobre os malefícios do chimarrão em mulheres grávidas, mas como a bebida contém cafeína, evitar o excesso se torna imprescindível para a saúde da gestante e do bebê.

chimarrão é uma bebida à base de erva-mate, que é uma planta que contém cafeína, teofilina e teobromina, todas são substâncias estimulantes e a ingestão dessas substâncias em excesso podem causar danos à nossa saúde.

Cafeína

A cafeína é uma substância que tem como principal extração as plantas e pertence ao grupo das xantinas. É classificada como uma substância lipossolúvel, ou seja, é de rápida absorção pelo trato gastrointestinal, agindo quase que imediatamente no nosso organismo logo após ser ingerida.

O efeito da cafeína é o de ser um estimulante. Verdadeiramente, essa substância atua diretamente em nosso sistema nervoso central aumentando o nosso estado de alerta. Ela faz com que o coração bata mais forte, os pulmões ficarem mais abertos e é possível se sentir mais esperto.  Estes efeitos renderam à cafeína a fama de inimiga do sono, ímã para a vontade de fumar e multiplicadora de ansiedade.

Por este motivo devemos nos precaver pois a excessiva ingestão de bebidas com grande teor de cafeína pode provocar em algumas pessoas efeitos negativos como: ansiedade, agitação, dor de cabeça, insônia e irritabilidade. O mecanismo de ação da cafeína esta ligado ao estímulo da produção de dopamina, que é um neurotransmissor responsável pela ativação de áreas do cérebro relacionadas à atenção.

Cuidados durante a gravidez

Se nós devemos ficar atentos à quantidade de cafeína diariamente, durante o período da gravidez devemos redobrar esses cuidados. Cafezinhos, chás, chimarrão, energéticos e até o chocolate devem ser ingeridos dentro de uma cota diária de consumo. Estudos comprovam que a cafeína passa muito facilmente pela membrana placentária e isso pode causar malformações fetais, baixo peso do recém-nascido ou levar ao aborto espontâneo.

Sabemos que uma cuia de chimarrão tem cerca de 30mg de cafeína. É muito pouco se for comparado com os 40 a 75 mg de cafeína contidos em apenas  30 ml de café expresso. Mas mesmo assim, não é aconselhável consumi-lo livremente durante a gravidez. Em doses baixas, o chimarrão pode ser consumido sem maiores complicações.

Mas, quanto de cafeína pode ser consumido pela grávida?

A agência de classificação de alimentos inglesa afirma que uma grávida pode consumir até 300 mg de cafeína diariamente. Parece bastante, mas não podemos nos esquecer de que a cafeína esta presente além do café e do chimarrão.

Se você esta grávida e preocupada em parar de tomar chimarrão, basta controlar a quantidade de cafeína ingerida durante o dia. Afinal, tomar chimarrão também traz efeitos benéficos para a nossa saúde: estimula as atividades físicas e mentais, estimula a circulação e facilita a digestão, além do poder antidepressivo e diurético.

Beber apenas uma cuia de chimarrãoao dia, em dias alternados é indicado às grávidas. O que não vale é ingerir várias cuias de chimarrão ao longo do dia. Cuide de sua dieta durante a gravidez e siga as recomendações do seu médico.

Alimentação vegetariana balanceada

A pesquisa mais recente reforça os benefícios para a saúde do vegetarianismo.

Dietas baseadas em vegetais estão se tornando mais populares no mundo. Um relatório de 2017 descobriu que 6% das pessoas nos EUA agora se identificam como veganas, em comparação com apenas 1% em 2014.

Apesar desse crescimento constante, os EUA ainda estão atrás de muitos outros países quando se trata de trocar proteína animal por proteína vegetal. Em alguns países da Europa , por exemplo, uma grande parcela dos consumidores segue atualmente uma dieta com pouca carne.

Com os resultados apresentados na Nutrition 2018 podemos inferir os benefícios atrelados a dieta do tipo vegetariano e a importância da qualidade da comida para a saúde .

Apresentamos alguns resultados top-line desses estudos abaixo. Uma observação interessante é levar em conta que os resultados devem ser considerados “ resultados preliminares” o motivo é que :

Estes resumos não foram avaliados por um padrão mais rigoroso a nível científico por tanto é preciso cautela ao levar ao pé da letra todos os resultados obtidos por este meio .

Portanto, como citado acima é necessário cautela ao considerar esses resultados como “resultados válidos” até que sejam devidamente avaliados.

Veja também nosso conteúdo sobre – https://www.oandpbusinessnews.com/10-alimentos-que-voce-deveria-incluir-em-sua-dieta/

Vegetarianos e doenças relacionadas ao coração

O estudo da Holanda analisou quase 6.000 pessoas; A equipe descobriu que aqueles que comem uma alta proporção de proteína derivada de plantas para proteínas derivadas de animais estavam em menor risco de desenvolver doença coronariana mais tarde na vida.

O estudo brasileiro analisou cerca de 4.500 pessoas e concluiu que as pessoas que tinham uma dieta rica em proteínas vegetais eram 60% menos prováveis ​​do que as pessoas que tinham uma dieta rica em proteínas de origem animal para desenvolver um acúmulo de placas nas artérias do organismo. coração.

Para pessoas que sofrem de Diabetes e Doenças cardíacas foi avaliado um fator de risco menor quando estão utilizando o vegetarianismo como forma de alimentação , segundo o estudo .

Em comparação com seus pares não vegetarianos, os vegetarianos do sul da Ásia exibiram:

  • circunferência da cintura menor
  • quantidades menores de gordura abdominal
  • baixar o colesterol
  • baixo nível de açúcar no sangue
  • menor índice de massa corporal ( IMC )

Eles também foram menos propensos a ganhar peso e tiveram uma menor taxa de mortalidade.

De acordo com estudos do instituto nacional de saúde é a forma mais barata dê se financiar a prevenção de doenças.

Baseado nos estudos em que pessoas que se alimentam bem tem pelo menos 60 % menos riscos de doenças quanto as que se alimentam mal , calculou se que se pouparia dê orçamento público voltado a tratamentos de doenças provenientes de má alimentação e sedentarismo na casa de bilhões de reais.

O sus por sua vez tem ajudado na pesquisa por ter células espalhadas em cada município buscando dados e enriquecendo as pesquisas

Porém uma parte significativa das pessoas por ter plano de saúde privado acabam por não ter o Cartão do SUS , isto implica que estas pessoas acabam por ficar fora desta estatística

Seria necessário que estas pessoas mesmo com plano de saúde fizessem o cadastro na rede próxima dê seu município para ter acesso ao cartão do sus , fazendo com que assim elas entrem para as estatísticas e ajudem com a pesquisa .

Esta pesquisa visa patrocinar projetos de educação alimentar para toda a população pleiteando futuros descontos para alimentos de boa procedência , etc .

Alimentação vegetariana balanceada – A qualidade dos alimentos

Em outro estudo, pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard, Chan, em Boston, Massachusetts, examinaram se havia uma associação entre comer alimentos saudáveis ​​à base de plantas e reduzir o ganho de peso.

Vale ressaltar aqui uma pesquisa realizada com mais de 100 mil adultos , esta pesquisa inferiu num período maior que 4 anos que não basta apenas comer vegetais.

Segundo esta pesquisa dentro dos vegetais existem os “mais saudáveis e os menos saudáveis” .

Do grupo que consumiu os vegetais mais saudáveis que compreendem : grãos integrais,nozes e frutas : tiveram uma porcentagem de ganho de peso muito inferior dos outros que comeram vegetais menos saudáveis.

Do grupo que utilizou vegetais menos saudáveis : batata frita, grãos refinados e doces estes tiveram um desempenho bem mediano .

De acordo com outra pesquisa , em comparação com alimentos vegetais e derivados de animais  “ a qualidade dos alimentos é mais importante que a quantidade” , sendo assim mais vale um bom e pequeno grupo de vegetais do que uma quantidade grande de vegetais com baixo valor agregado

Baseado nestas informações pode se dizer que pessoas com condições crônicas de saúde que consumir uma dieta rica em alimentos vegetais de alta qualidade podem ser beneficiadas ainda mais do que as da população em geral.

O consumo de alimentos de origem animal de alta qualidade, no entanto, não foi associado a nenhum benefício significativo para a mortalidade.

Principais legumes para prevenir diabetes

Você sabia que vegetais podem ser consumidos para prevenir o diabetes ? Muitos casos de diabetes podem ser prevenidos com mudanças saudáveis ​​no estilo de vida , mesmo em alguns casos, pode ser revertido; Por isso, é importante adotar medidas de alimentação saudável , através de alguns vegetais benéficos para prevenir casos de diabetes.

Legumes que previnem diabetes

Consuma legumes sem amido,  fazem parte de uma dieta saudável, pois possuem baixo índice glicêmico .

Vegetais sem amido são  alimentos saciantes; É claro que os  legumes frescos são os mais adequados, mas também  congelado pode ser adaptado; embora vegetais enlatados não sejam a opção mais recomendada, pois fornecem uma quantidade considerável de sódio.

Ele é importante para consumir vegetais em quantidades generosas, como vegetais de folhas verdes, feijão, pepinos, pimentos, rabanetes, abobrinha, berinjela , espinafre, aspargos, brócolis , repolho, couve de Bruxelas.

Alcachofras

Vários componentes presentes na alcachofra ajudam a prevenir e controlar o diabetes , porque a maioria de seus carboidratos está na forma de inulina.

Aipo

Incluir este vegetal em sopas ou ensopados ou consumi-lo cru, fornece benefícios importantes, devido ao seu conteúdo de nutrientes , alguns dos quais, como vitamina K e cálcio , podem ajudar a prevenir o diabetes tipo 2 e beneficiar aqueles que sofrem com isso doença.

Beringelas

Embora seu teor de carboidratos seja baixo e muito alto em fibras ; É um vegetal indicado para pessoas que sofrem de diabetes, porque contêm fenóis que ajudam a regular o nível de glicose no sangue.

Cenouras

Pesquisadores da Universidade de Stanford, na Califórnia descobriu que em pessoas que têm certas variações genéticas comuns , os altos níveis de beta-caroteno , que o corpo converte em uma forma de vitamina A, pode reduzir o risco de diabetes tipo 2 , de modo que são consideradas cenouras benéficas para este fim.

Espargos

Alimentos ricos em fibras, como espargos, ajudam a nivelar a glicose no sangue , o que beneficia pessoas com alto risco de sofrer de diabetes tipo 2 .

Como você pode ver, o consumo desses vegetais ajuda a prevenir o diabetes entre outros benefícios para a saúde. Além disso, se você tem diabetes este blog será útil: Receitas para diabetes.

Nós somos mesmo o que comemos: Nutrição em cada pessoa

Vá a qualquer supermercado e parece que eles têm “tudo” do que podemos comer, filas e filas de alimentos a oferecer algo para todos. Afinal, a média de itens em casa supermercado no ano passado era quase 39,000, de acordo com o Food Marketing Institute.

Mas ter várias opções de alimentos ajuda-nos a ficar mais saudáveis?

Como o mais recente Dietary Guidelines (2015-2020) para Norte Americanos reporta, números de doenças crónicas ligadas a dietas subiram devido aos comportamentos dos estilos de vida, levando-nos a questionar se estamos a fazer escolhas saudáveis.

Considere esta estatística – aproximadamente metade dos adultos Norte Americanos têm uma ou mais doenças crónicas que podiam ser prevenidas, muitas relacionadas com hábitos alimentares pobres e falta de exercício físico. Os custos para a economia e a nós como indivíduos são chocantes pois os custos da saúde pública continuam a aumentar.

Para comer de maneira mais saudável, temos de começar a um nível individual. Considere que o campo de medicina personalizada está a emergir e o seu conceito é de que os tratamentos médicos deviam de ser feitos para as características, necessidades e preferências individuais de cada paciente. De maneira semelhante, nutrição personalizada suporta a ideia de que o que comemos devia de ser personalizado a quem somos e como somos, e às maneiras de como absorvemos os nossos alimentos e fazemos o metabolismo.

Os nossos alimentos pessoais são uma alimentação saudável

A ideia de que os mesmos alimentos não vão fazer as mesmas coisas para todos os corpos chama mais a atenção. Por exemplo, um estudo publicado em agosto de 2016 a International Journal of Epidemiology descobriu que os participantes em grupos de nutrição personalizada melhoraram significativamente os seus hábitos alimentares comparado com grupos de controlo. No fim, significa que as pessoas do grupo personalizado comeram uma dieta mais saudável baseada em cada necessidade individual.

Online, mais de 1,000 Europeus juntaram-se a um dos três grupos de nutrição personalizada baseado em:

  • Análise da dieta que fazem
  • Dieta e fenótipos (gordura corporal e marcas sanguineas)
  • Dieta, fenótipos e genótipos (Pesquisadores examinaram as provas de interações entre genes e a dieta)

Surpreendentemente, participantes marcaram melhorias independentemente de que grupo estavam como emagrecer. Por causa de os relatórios e interações serem feitas pela web, pesquisadores sugerem de forma otimista que este tipo de abordagem pode resultar em benefícios grandes na saúde pública se for aplicada nas populações gerais.

O que os genes significam

Os autores da revisão de 2011 no Journal of Nutrigenetics and Nutrigenomics explicam a Herbalifeque melhores resultados da saúde podem ser atingidos se os requerimentos nutricionais são customizados para cada indivíduo. Isto significa que levar em consideração ambas as características genéticas de ele ou ela dependendo na fase da vida, preferências na dieta e estado de saúde.

Um papel chave de pesquisa no jornal da Medicine Personalized mostra os conceitos básicos que confirma a interação entre a dieta e o genoma. O seu genoma é um set completo de instruções genéticas ou ADN. ADN é também considerado uma “molécula longa”, é composta de quatro químicos diferentes e é “lido” por uma técnica chamada de sequenciamento de genoma. Genômica estuda todo o ADN num organismo.

Medicina personalizada envolve o estudo de nutrigenética e nutrigenômica. Pense que a nutrigenômica como uma ciência de como alimentos que comemos afeta genes e nutrigenética como genes afetam esses alimentos.

Escolhas pessoais na alimentação saudável importam para emagrecer

Os autores do papel sugerem que a fase da vida, o ambiente, e o estilo de vida têm um impacto. Eles também sabem do papel de preferências pessoais na nutrição, experiências individuais, acuidade sensorial, hábitos culturais e a situação económica pessoal de um indivíduo. Por isso escolhas pessoais incluem:

Provar e sabor: Estes são os mais fáceis de aceder para nós.

  • Costumes culturais: Valores religiosos e filosóficos podem ter uma força enorme aqui: kosher, vegetariano ou jejum, por exemplo.
  • Estilo de vida: Atletas tipicamente precisam de comer antes e depois do treinamento.
  • Doenças do estilo de vida: Certos alimentos com “composição de nutrientes adaptada” podem focar em condições como o excesso de peso ou o desconforto intestinal ou escolhas como comportamento sedentário ou dietas altas em gordura.
  • Doenças herdadas: Este grupo inclui alergias ou intolerâncias a alimentos, ou erros herdados de metabolismo inato. Um exemplo é a fenilcetonúria, um distúrbio do metabolismo de aminoácidos que aumenta os níveis de fenilalanina. A pessoa com este distúrbio deve comer menos alimentos com este aminoácido.
  • Predisposições genéticas: Alimentos também são personalizados de acordo com genotipagem, a determinação da maneira como os seus genes estão ou do genótipo via examinando a sequência do seu ADN – determinando a ordem desses químicos que fazem a molécula de ADN.
  • As escolhas que fazemos a respeito do que comemos deve ser refletido nas nossas necessidades pessoais. Há muitos fatores que afetam, mas o que é mais importante é que você perceba esses fatores e faça o seu melhor para criar um plano de refeições que funcione para si.

5 alimentos ricos em vitamina A (saudáveis ​​e nutritivos)

Os alimentos mais ricos em vitamina A incluem fígado, cenoura e batata-doce (ou batata-doce).
Existem 4 vitaminas lipossolúveis necessárias para a saúde; A vitamina A é uma delas . Enquanto o consumo dessa vitamina pode trazer grandes benefícios, sua deficiência de forma prolongada inclui sintomas como fadiga, problemas visuais e erupções cutâneas.

Alimentos da dieta de 21 dias

Devido a sua grande importância para o bom funcionamento do organismo, neste artigo vamos explicar o que é e por que essa vitamina é tão importante. Também analisaremos as propriedades de 5 alimentos ricos em vitamina A ; a maioria deles são produtos de origem vegetal, embora também incluamos alguns alimentos cárneos.

O que é vitamina A?

A vitamina A é uma substância lipossolúvel necessária para o corpo humano e desempenha um papel muito importante como um antioxidante. Esta vitamina impede que os radicais livres causem dano celular em nosso corpo.

A vitamina A é essencial para o bom funcionamento dos sistemas imunológico, esquelético, respiratório, reprodutivo e da pele.

Entre os muitos benefícios da vitamina A estão sua capacidade de prevenir a cegueira noturna e a degeneração macular relacionada à idade – a causa mais comum de cegueira nos idosos.

Mesmo assim, sabe-se que consumir alimentos com vitamina A é mais benéfico do que tomar suplementos dessa vitamina. Se você ainda decidir obter o nutriente desta forma, é aconselhável procurar aconselhamento prévio de um profissional de saúde.

É aconselhável não tomar suplementos de vitamina A, juntamente com qualquer medicação retinóide, incluindo a isotretinoína (Accutane), um medicamento usado para tratar a acne, pois há um risco aumentado de toxicidade. Além disso, uma dieta com muito pouca gordura prejudica a absorção de todas as vitaminas lipossolúveis , incluindo a vitamina A.

Consequências do déficit desse nutriente

A deficiência de vitamina A pode produzir vários sintomas ou sinais na saúde humana. Em geral, esses sintomas geralmente se manifestam quando a deficiência está presente há vários meses. Abaixo estão os mais comuns:

  • Perda de apetite
  • Infecções frequentes (geralmente respiratórias) produzidas por uma função fraca do sistema imunológico
  • Perda de cabelo
  • Erupções cutâneas
  • Pele seca e olhos
  • Dificuldades e problemas visuais (incluindo cegueira noturna)
  • Crescimento geral fraco
  • Sentindo fadiga

É importante saber que essas deficiências de vitamina A geralmente ocorrem em pessoas desnutridas; Isso inclui alcoólatras, doentes crônicos e pessoas com bulimia, anorexia ou diabetes tipo I mal controlado.

Além disso, níveis muito elevados de vitamina A pode criar deficiências de outras vitaminas, como C, E e K. As pessoas com saúde normal e nutrição, no entanto, eles têm grandes reservas de vitamina A.

5 alimentos ricos em vitamina A

1. Fígado

O fígado é particularmente rico em vitamina A, já que é um dos locais onde esse nutriente é armazenado quando o corpo de quantidades excessivas dele. O fígado de peru é o que tem mais vitamina A , seguido por carne de vaca, porco e peixe. Este alimento também é rico em ferro, vitaminas B e D.

2. Ovos

O ovo é um alimento habitual na dieta humana. Em particular , um consumo de aproximadamente 4 ovos por semana é recomendado por suas altas qualidades nutricionais – entre outros, seu alto teor de vitamina A.

3. Batata-doce (batata-doce)

100 gramas de batata contêm cerca de 14187 UI de vitamina A. O tubérculo da batata doce é um tipo que pode ser preparado de diferentes maneiras, por si só ou como guarnição (como batata) e geralmente consumidos no Outono.

4. Cenouras

A cenoura é o vegetal mais comumente associado à vitamina A, especialmente por seu alto teor de beta-caroteno; 93% da composição de 100 g de cenoura corresponde à vitamina . No entanto, também contém vitamina C, vitamina E e vitamina L, bem como uma grande quantidade de minerais e fibras.

5. Espinafre

As folhas de espinafre, uma planta anual, são consumidas em grandes quantidades por suas muitas propriedades benéficas.

Referencias deste artigo:

Dieta de 21 dias : https://www.encare.info/dieta-de-21-dias/

Dieta dos pontos: https://dietadospontoss.com

© 2019 Blog Sobre Saúde

Theme by Anders NorénUp ↑